DINHEIRO COBRADO AOS ENCARREGADOS PARA PAGAR GUARDA GERA CONFUSÃO NA MATOLA

Destaque

DINHEIRO COBRADO AOS ENCARREGADOS PARA PAGAR GUARDA GERA CONFUSÃO NA MATOLA

Bairro Intaka “2” está a viver momentos de agitação porque na Escola local há cobranças de duzentos meticais para matricular novos ingressos.
A entrada da secretaria da Escola Primária Completa 24 de Julho, no Município da Matola, província de Maputo, estão afixados na parede em papel de tamanho A4 os requisitos necessários para matricular os alunos e não estão mencionados os 200 meticais. Ainda assim os pagamentos estão a ser efectuados. Carolina Molungo, é uma das encarregada de educação entrevista pelo “O País” que confirmou ter pago duzentos meticais para matricular seu educando. “Paguei 200 mt dizem que é dinheiro de guarda, mas nesta escola não tem guarda, não estamos a ver guarda ”, disse a jovem mãe que se encontrava nas imediações daquele estabelecimento de ensino.
Uma encarregada de educação, Emília Domingos, tem já matriculados naquela escola quatro crianças e desembolsou oitocentos meticais para pagar os serviços de guarnição e poder garantir a sua matrícula. E está em via de pagar mais porque no próximo ano uma nova criança estará na escola. Para ela é injusto que se continue a cobrar esse valor.

Uma mãe por duas vezes terá sido mandado voltar com a sua filha que pretendia matricular porque alegadamente não tinha os duzentos meticais exigidos para pagar o guarda.
Durante a entrevista a directora daquela escola, Isabel Mondlane, negou que houvessem cobranças para matricular os novos ingressos. E depois foi convidada a ouvir a reivindicação dos pais e encarregados de educação. A dirigente daquela escola disse repetidas vezes que não há ali cobranças. “Não tenho conhecimento disso, não está condicionada a matrícula dos alunos não temos nenhuma orientação da direccão distrital para o efeito.
Os duzentos meticais são para o pagamento de guarda e ajudar na construção da escola”.

Enviar um comentário

0 Comentários